Skip links

Quando se deu a última erupção vulcânica na ilha do Faial?

O Faial é a ilha do arquipélago dos Açores onde mais se pode sentir a força da natureza. Aqui vai saber quando se deu a última erupção vulcânica na ilha, quais as consequências para a população e muito mais.

A última erupção do Vulcão dos Capelinhos

A última vez que o Vulcão dos Capelinhos entrou em atividade foi no dia 27 de setembro de 1957. Foi só a 24 de outubro de 1958 que o vulcão começou a perder força e quando se deu a sua última libertação de lava. Portanto, este fenómeno durou cerca de 13 meses.

A primeira erupção deu-se após 12 dias de pequenos sismos na ilha. Em conjunto, pôde assistir-se a algumas explosões de jatos de cinzas e nuvens de vapor de água, bem como à emissão de gases em quantidades elevadas.

Erupção do Vulcão dos Capelinhos
Erupção do Vulcão dos Capelinhos

Consequências da erupção vulcânica na ilha do Faial

A acumulação de detritos vulcânicos acabou por formar uma nova ilha, o que aumentou o território do Faial (e, por consequência de Portugal). Com o nome de Ilha Nova, este novo território chegou a atingir os cem metros de altitude e aumentou o território faialense em cerca de 2,4km2. Porém, devido à erosão causada pelo mar e pelo vento e à fraca consolidação das rochas, esta área diminuiu em um terço.

Estragos e consequências para a população

A erupção do Vulcão dos Capelinhos provocou alguns estragos nas casas, nos campos agrícolas e nas pastagens, principalmente nas freguesias do Capelo e da Praia do Norte.

A boa notícia é que não houve perdas humanas. Contudo, com a ajuda humanitária dos Estados Unidos da América, milhares de faialenses abandonaram a ilha. O “Azorean Refugee Act” autorizou 1,5 mil vistos, o que resultou numa perda de cerca de 30% da população.

Em suma, o Vulcão dos Capelinhos é, de facto, uma passagem obrigatória quando visitar a ilha do Faial.
Portanto, aproveite e fique hospedado/a numa das Casas do Capelo. Estas casas estão muito bem localizadas, o que facilita a sua visita a este fenómeno da natureza!

Leave a comment